A Prisioneira das Sombras






O sono da noite mostrara que não fora apenas algumas braçadas na água ou o canto do pássaro que a levou até a metade do lago. As vozes em sua cabeça despertado após os ecos ouvidos submersa.
Ela se encontrava debaixo das águas claras. Uma sombra negra se projetava acima do galho grosso que flutuava. O som do nada mergulhado na melodia estranha dava o parecer de algo falado em sua língua. — Livre estou.
Ela nadava e os poucos segundos do outro lado fora suficiente para revelar o enigma.
A sua mente registrou algo no fundo do lago. Uma enorme caixa hermética. Aiyra lembrou-se que abaixo das águas onde havia a pequena ilha particular, onde se instalou uma enorme árvore. As suas raízes guardavam entrelaçadas em suas estirpes o tesouro e toda a maldição da família Carsan.

(Aiyra Muruá)
Sobre a família Carsan que possuía um poder aquisitivo e que por forças maiores todos os bens se transformou em maldição.

A Segunda Parte do Romance irá se estabelecer um pouco no herdeiro e que pelos laços do destino irá cruzar com o caminho de Aiyra.


Mensagens populares deste blogue

Poesia Além do Tempo

Brasil - Política