Poesia Além da Lenda




 

Eu morri inúmeras vezes
Eu conheci o outro lado
O outro lado do espelho,
Onde as lentes corpóreas não alcançam;
Onde os sons são sagrados e as cores são intocáveis
E, os verdes das matas impetrantes.
Os campos que se deixam cavalgar sobre cavalos alados
Pássaros que seguem o arco-íris e quando se chocam,
Deleitam-se de suas cores ultravioletas.
Seres como as fadas
Que possuem mãos de seda e fazem seu próprio mundo.
Anjos que saem de seus reinos
E se transformam numa realidade favorável.
Eu os vi
Mundos que se colidem
E se multiplicam;
Para tornar possível a vida.
Por extensas frações de segundos no tempo espaço
Que chamamos de idade.
Esse período de tempo que se baseia numa infinita cavidade
Que se assemelha como um útero
E que nos abrasa como embriões.
Porque tudo retorna a fonte
Da grande mãe
Da semente sagrada
Do pólen fértil
E da rara existência
De nascer e se tornar parte
De Gaia.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Poesia Além do Tempo

Brasil - Política