Uma Nova Humanidade




 

UMA NOVA HUMANIDADE...


NO SÉCULO DEZESSETE JÁ HAVIA REGISTROS SOBRE A ASSOCIAÇÃO DA VASSOURA, SENDO NÃO SÓ UMA FERRAMENTA MÁGICA DAS BRUXAS, MAS TAMBÉM UM FRAGMENTO DO RESQUÍCIO DAS MEMÓRIAS DO TEMPO, QUE NA CULTURA XAMÂNICA SIMBOLIZAVA A TRANSIÇÃO ENTRE OS MUNDOS.

NUM FEITIÇO USA O CANTO, ASSIM COMO A VOZ HUMANA PRECISA DE LITURGIAR A RIMA, O SOM QUE ESPARGE DA VASSOURA SAÚDA OS PORTAIS.

COMO TODA A CASA POSSUI UMA CHAVE, É ASSIM, NO FÍSICO MUNDO AO ETÉREO.

NÃO SE ABRE UMA PORTA APENAS COM O CANTO RÍTMICO. TUDO DEVE DESTRAVAR-SE AO SEU TEMPO.

A VASSOURA BANI, REPELE, ESTERILIZA, PURIFICA O AMBIENTE E SEPARA O PROFANO AO DIVINO. NELA É CONTIDA A ÁRVORE DA VIDA E POR SEU SIMBOLISMO PRIMORDIAL AO SER FINCADA INVERSA AO CHÃO.

A BRUXA VARRE SOB A SOMBRA LUNAR O CÍRCULO SAGRADO ESCULPIDO DA LUA NO CHÃO, PARA BANIR O QUE É MAU E GERMINAR O QUE É BOM CARREGANDO NAS POEIRAS DO TEMPO UMA NOVA HUMANIDADE.


(Texto com DIREITOS AUTORAIS)

[Claudianne Diaz]

Comentários

Ouça também!

A Prisioneira das Sombras

Belisama em Fases Lunares

Nas Mãos do Alquimista

Uma Nova Humanidade