Novidade Filosófica!

Lua Negra - A Lua Serpentária

Imagem
  Lua Negra — A Lua Serpentária A Ordem 5,77.5 Um contorno entre as apóstrofes celestes; 29,53085106382979. Os perímetros usados dentro de sua raiz e multiplicado pelo código do zodíaco equivale seu lugar de origem, nesse ambiente relativo alterna em sua linha visionária de tempo as formas de luz e sombra, criando a sua orbita por frações nas sombras e abrindo as inclinações às suas fases. Mediante, a sua distância, ângulo e grau. Orbitando sob a atmosfera nas mesmas proporções de tempo na qual o homem carrega em sua medula. A força antes que ordenou as 13 lunações e ondas sobre as marés, alternam em vivas e mortas, em relação as 11 principais especificidade de posições entre 3 pontos, terra, lua, sol e em oposição, lua terra, sol. Essa alternância e repetição que atua sobre o campo gravitacional gera a vida. Onde a designação das ondas longas e curtas conserva as proporções fotorreceptoras. Todo o trabalho do 9 e 7 no macrocosmo se repete ao microcosmo, e vice-versa. Inicia-se então,

A Deusa e as Nove Obras Intocáveis - O Ofício das Fendas



 

A DEUSA E AS NOVE OBRAS INTOCÁVEIS – O OFÍCIO DAS FENDAS

 

No limiar das eras a deusa esconde a enorme vértebra na qual ela oscila em seus trinta e um pares. Vertendo em suas fendas o pulsar teosófico do trajeto cardíaco.

No sentido de transdução, ou seja, na conversão de energia, traço os limites da mente para que o homem me veja nas limitações das três fases de cones como a velocidade do raio 433.

O primeiro impulso do homem em sua atmosfera é de reorganizar instantaneamente o sentido de reconhecer. E, tudo se baseia na luz e na velocidade que ela atinge.

O primeiro cone responde favoravelmente a luz que o sistema está recebendo, o segundo cone responde o tipo de onda de energia e o terceiro se traduz decisivamente de seu mundo a razão dessa luz na qual foi transmitida, e por consequência, se dá ao fato de que a luz recebida exteriorizada foi distinguida através do cone e executada por exatidão o valor correspondente dessa energia.

O que resultou na cor ou evento trazido por essa esfera o surfar da energia em nanômetros.

Por causa e efeito do segredo da deusa ela usa os cones de energia para contrair e retrair o seu nervo que a compõe e nessa fissura termodinâmica, usa parte da velocidade da luz. Em termos de que a velocidade se baseia na casa teosófica 9.

Essa velocidade dispersada em seu eixo, emerge do meio ao Sul e do meio ao Norte levando entre as suas fendas os gases nutrientes responsáveis pela produção de novos vapores que forjados em seu ventre expele os cometas, faz e determina a continuidade das vibrações e precessões dos mares, altera ondas e oscila para que a sua intensidade de energia pura cause o buraco negro na qual ela por exatidão trabalha.

O véu de toda emanação.

Na matéria pura ela abre panaya e dela rasga do seu umbigo novamente a existência que por meio de três divisões cria e esmiúça o poder da transdução. Cujo poder é de sua inteireza e que pelas suas aberturas carrega todas as cores simbolizando o valor da conjectura das fendas. Essa fenda equivale à vértebra. E que o homem de nosso tempo o deferiu por sete.

Simbolicamente o sete carrega fracionado em sua porção as trinta e três vértebras e que novamente prova a divindade de Deus em todas as coisas. No homem está engendrado o poder da natureza cósmica e que por decreto o carrega assim, como a velocidade da luz ou em seu nanômetro.

No ofício de suas fendas mantém os valores vertentes das ondas em comprimento longo, médio e curto. Nas quais dentro desses valores as unidades de medidas se inter-relacionam em três posições mantendo em termodinâmicos, nas quais seus efeitos de temperatura, pressão e volume se movimentam e transitam sem alterar o núcleo de sua energia variável.

Após dispersados entre a coluna do tempo, os raios de energia oscilam numa extrema compactação levando a vida e trazendo a sua própria para dentro e de volta ao seu núcleo. Lugar onde parte do meio do eixo.

Essa energia se baseia no período de tempo que ela usa para ir e vir e que no calendário solar equivale o trajeto cardíaco e que esse valor se baseia unicamente ao universo criado. Valor sagrado da natureza e que por meio dela está todas as divisões.

A precessão do eixo de rotação é a força cognitiva das marés, mas bem mais fundamental que essa teoria está engendrado a força criadora do universo. As vibrações em seu eixo e as oscilações que variam de forma secundária mantém o renascimento de sua semente universal da vida e que guarda os segredos nas constelações de Áquila.

O véu da imortalidade e das transmutações e que por meio dela mantém o universo e as cores.

Nessas cores e explosões que renascem novos vapores e dentro dos seus cones mantém o seu segredo de vida orgânica.

 

Porque sou o tempo e essa é uma das minhas nove obras.


Original: Claudianne Diaz

Texto com ©DIREITOS AUTORAIS 

Mensagens populares deste blogue

Terracota - OS SERES ORIGINÁRIOS

Terracota - A BIOLOGIA SISTÊMICA

Terracota - AS SETE CAVIDADES