Novidade Filosófica!

Terracota - O Campo da Realidade Cognitiva

Imagem
  O Campo da Realidade Cognitiva – Efeito Íris – Grau 9.7     Cálcio, sódio, potássio. Toda a propriedade de realidade factual final da luz é dividida por seu grau de maior e menor energia num comprimento de onda, onde a luz viaja. A distância entre os picos dessas ondas por frequência é obtida por segundo, nessa amplitude de altura, ou seja, os vales , registram o fundo mergulhante da onda que dessa energia proporcionou a sua frequência eletromagnética. Por sua vez, a imagem baseia-se na onda de luz que entra para a córnea por refração. Sistemicamente, os 5 milhões de cones divididos por suas principais cores tricéfalas; azul, que carrega o comprimento de onda 430 nm ; verde, que carrega o comprimento de onda 530 nm ; vermelho, que carrega o comprimento de onda 560 nm . Se conectou com a luz da córnea; a água , interrelacionando com a percepção de luz-realidade , trouxe o feixe-aspecto, mas interagiu por tipo de onda. Nessa viagem de luz que carrega toda a íris; o arco, o

Terracota - A BIOLOGIA SISTÊMICA




Terracota — A BIOLOGIA SISTÊMICA

 

Assim, como é acima, é abaixo.

Uma teoria explicativa e modesta da mecânica celeste foi e será sempre o condutor que relativamente busca desenfrear as habilidades do homem em todas as áreas. O condutor de energia que pulsa dentro dos nucléolos e que faz a temperatura dínamo fluir, esse condutor é celeste e por conseguinte alterá-lo, seria criar um novo crivo, um novo dínamo e uma nova temperatura.

A criatura sistêmica, ou sintética, dirigir-se-ia por um roteiro altamente competente, na qual as ordens dadas as moléculas teriam que iniciar com o código inteiramente, complexado de destreza que o conduzisse a ordem final. Tal ordem, que remodelasse todo o código oriundo da base existente; base que numa temperatura termodinâmica não afetasse tal ordem e tal ordem fosse implantada por um código completo e tivesse a matéria pura e a antimatéria do gene energético pronto.

O genoma complacente de atrator compulsivo e repulsivo, a esfera engenhosa e complexa que remodelaria toda a ordem e criasse o caos reordenado da biologia genética perfeita; o gene que reconstruiria as bases de crivagens a partir do estágio de mórula, criando e decodificando a cavidade, abrindo e expandindo a consciência morfológica da célula, tais estágios que constroem os neurônios e suas vias de codens sintonizados com as esferas celestes e que tais vias se multiplicam, se dividem e mesmo expandindo, torna-os inteiros e íntegros em seu núcleo de expansão.

Com o coeficiente expansivo da raça humana, o homem entra numa era entre pontes, onde a biologia genética quer evoluir e os resquícios de inatividade substancial quer adentrar as paredes de carne e ossos originários de sua raça. Ele, o homem quer dominar-se, expandir e ter o controle. E, por conseguinte, ele abrirá portas, as portas da biociência é a fenda que o tempo subordinado de outras esferas permitirá. Pois, o homem é capaz.

Mas a capacidade do homem em expandir-se é meramente pura aos caminhos de evolução e ele deixará surtir o efeito cognitivo de sua invenção, criatividade e domínio.

A mecânica das estrelas rege os homens, a energia termodinâmica magnética da terra e das marés são por efeito, as bases sólidas de nossa raça e construir uma nova raça seria perder parcialmente o nosso controle, pois, o genoma sistêmico pode ser crivado a partir de coeficientes morfologicamente aperfeiçoados pela máquina e construir para si novos caminhos, nas quais poderá ser estranho ou assombroso para a raça terrosa.

A raça humana se projeta e se cura através de formulas naturais e não perderia jamais o controle de sua majestosidade e implacável condição de vida; não conceberia tal dúvida a um futuro biológico próspero ou danoso. Contudo, a evolução de nossa raça também pode agregar perdas irreparáveis.

No controle da máquina central, ou seja, no interior do núcleo, a força cognitiva do código engendrado carrega o pano de fundo da matéria pura, onde a energia sinóptica deva reformular novas forças, novas estruturas e novos criadores; meios de renovações celulares já implantados nos cromossomos.

O homem é a raça perfeita. Remodelá-lo, seria substituir a raça terrosa por algo sem deus. Sobretudo, criá-lo-ia outro energicamente, outro sistema dínamo e outras fusões de crivagens. Pois, copiá-lo seria drenar para a cópia algo inexistente, a alma sem a fusão de sua própria carne e consciência torna-o um veículo débil e alienado.

 

Estais prontos para se reintegrar numa nova condição humana?


TEXTO COM ©DIREITOS PRESERVADOS – ORIGINAL: CLAUDIANNE DIAZ
TERRACOTA – A BIOLOGIA SISTÊMICA
DO ORIGINAL - TERRACOTA

Mensagens populares deste blogue

Terracota - OS SERES ORIGINÁRIOS

Terracota - A Esfera - A Ordem 1,3.3036