A Deusa e a Ciranda de Energia




A DEUSA E A CIRANDA DE ENERGIA

 

A sequência molecular atômica atua na forma polarizada e ionizada gerada por eletromagnetismo. Essa forma de energia na qual criou a sua linha digitável, ou seja, o código invisível que em seu raio comanda, exprime e purga a força subjacente da vida, inicia as suas divisões do uno.

Do tempo, ao dois, da energia quatro, em conjuntos. A regra diretora definiu já por base das suas divisões na primeira fase, onde por sequência genética expandem por força giratória e oscilares. Então, as subdivisões continuam.

O código universal chaveado entrou na corrente orgânica e no vácuo, na matéria pura, são criadas as seções. Onde os cálculos genéticos definidos pela ionização do vácuo recriam nesse campo hermo, em sentido de espaço, a soma da próxima multiplicação, divisão e chave. As chaves são os comandos universais e essa sequência que já dividiu e criou o seu molde, repousa.

O nível intelecto que dirige o processo humano para a criação ainda resiste aos caçadores nas quais exploram pilhas de ideias, mas sem o comando real não definem por base a linha iniciadora.

Os olhos da ciência ainda em estudo fisicamente puro permanecem oculto, mas da consciência pura transcendendo à metafísica encontrarás na qual por meio da humanidade e pela justiça que o fez jurar.

A ciranda de energia sendo de dentro ou fora do corpo sempre foi uma questão de ionizar. As camadas de eletromagnetismo na qual o rodeia e que faz comungar com o divino. Na oscilação e vibração existe.

Em processo inicial, onde a chave ainda se abriria e desdobraria para as camadas de tempo e espaço, a consciência celular já está instalada e na vertente da temperatura tudo se desencadeia. A inteligência divina do polônio, do cromo e de todos os minerais da terra, sendo o éter o primordial. Nele está a energia universal e a fonte do código. — Mas, o que seria esse código? Essa resposta está na chave. — E, onde ou o que é essa chave? Eis, que a porta, não é porta. Assim, como a pedra da transmutação não é pedra.

Quem conhece o caminho dos alquimistas e por ela trilha, então conhecerás a chave.

— Quem possui a chave?

Apenas os mestres. E, os mestres não são de carne e osso.

Mas, o caminho está aberto para todos, essa abertura está lá. E, sedento, aguardando que a humanidade bate.

A lei do uno, da liberdade e do universo mantém os segredos de todas as coisas. As memórias podem ser acessadas pelos peregrinos da vida. Do plano terrestre, onde ainda em evolução pedem para que sejam instruídos.

O nascimento do ser é como o nascimento do universo. Impregnado de segredos. Mas, como o homem intelecto acessa tais documentos celestes ele começa a compreender que no espaço, onde o tempo não existe, apenas as suas radiações temporais fracionadas por ionizações tudo renasce, em dois conjuntos de 18 anos e 7 meses. E, tudo se transforma, na sociedade, no pensamento, na política, na ciência. A cada 74 anos e 8 meses um novo evento cósmico é gerado, mediante a força que expele de dentro do seu núcleo. E, nos primeiros três meses de 2061 será recriado o universo.

Então, tudo será renovado pelos gases que compõem um novo cenário ao passar pela atmosfera a estrela que visita a terra.

O homem renasce quando sente em seu íntimo o desejo da vida. Assim, é o universo. Mas, quando a estrela que visita a terra não mais surgir, então, o universo sem o desejo da vida iniciou o seu big bang.

Porque na forma infinita do tempo, o retrocesso se inicia, como o processo cadavérico.

Por ser devastado, ignorado e incógnito pela humanidade. A existência depende do ser que quer evoluir, e não para os que debruçam para a demência. Porque a linha do tempo já é programada, o que resta para o homem moderno é identificar essa linha e respeitá-la.

— Onde, por força magnética, poderíamos desaparecer como os Atlantes?

A ciranda de energia não uniu por força criadora, a inteligência do todo para que percamos ao meio da escuridão. Sobre os olhos da deusa sem nome e regidos por uma força maior, somos libertos e despertos para a inteligência cósmica e deixai-os serem acordados pela mão acariciadora dela.

A energia cósmica passa por um relógio infinitamente ionizado, tudo é transformado em cinzas.

Acordai-nos para que a cidade de luz seja a conclave dos nossos olhos, a pujança do amanhecer e a forma determinante do nosso DNA.

 

Original: Claudianne Diaz

Texto com ©DIREITOS AUTORAIS

Leia também!

A Deusa e o Guarda - Chuva de Ártemis

A Deusa e o Corpo Lúteo

A Deusa e a Nova Genoma

A Deusa e os Tributos de Leis

A Deusa e a Limalha do Tempo